sábado, 4 de janeiro de 2020

Cão e a Raposa²

Ao passo que aprendi a apreciar aquele sorriso, ao passo que aprendi a sorrir apenas admirando aquela felicidade bem significativa dentro apenas do mundo da raposa, meu coração se aqueceu e aos poucos tudo ficou muito claro.

Eu estava apaixonado, eu estava realmente apaixonado por aquele sorriso que tanto me agrada.

Eu sei que por mais que a raposa brinque com outros animais e eu observe aquele sorriso de longe e consiga sorrir também, ela passou a olhar mais para o cachorro e se perguntar o por que dele ainda estar ali.

A raposa conseguiu, ela me fez sentir-me especial, sendo o único a visitar sua toca, conhecer seus amigos mais próximos e ouvir histórias sobre seu mundo particular e isso fez meu coração se aquecer e me mostrou que há uma reciprocidade imensa e por mais que ainda eu não consiga me ligar totalmente da forma que ele precisa, eu estou aqui me dispondo de tudo o que posso, o tanto quanto eu quero me dedicar e sinto que poderia dar o mundo inteiro em suas mãos e dizer -" cuida dele ".

Queria saber exatamente o que sinto, mas não quero me desligar da sensação tão carinhosa que sinto agora e todos os dias quando acordo eu só sinto falta daquele sorriso incrível.

Fico satisfeito em saber que a vida que decidiu levar agora é a que apetece e aquece seu coração, não consigo olhar para outros animais da mesma forma que olho para ti, não consigo preencher meus olhos com tanta ternura e afeto genuíno e gratuito como tenho com a raposa, mas ainda sim a chuva cai e sempre que eu a ouço todo o frio passa pois meu coração quentinho aquece todo o resto e me faz pensar o quão confortável estou e agradecido por ser eu ali, naquele espaço tão só meu.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

O Cão e a Raposa

Au~ essa é a minha forma de dizer oi, pelo menos quase sempre que venho aqui desta forma.

Eu estou sempre animado, aninhado em minha antiga casa com meus brinquedos a minha volta, depois que meu dono partiu e nunca mais voltou, eu dei um jeito de escapar pela janela da nossa antiga casa e voltei a viver sozinho, sinto falta do sei cheiro de mato, do seu sorriso cantarolante enquanto entra pela porta, o barulho da chave com o encanador vermelho pendurado e aquelas musicas que me lembram de quando eu era filhote.. saudade de morder você e de quando você fazia carinho na minha orelha.. mas tudo isso ficam apenas nas lembranças e um dia isso será esquecido também.

Eu recentemente tive um encontro muito inusitado, há muito tempo antes de ser adotado, enquanto andava sozinho por ai, eu tinha um amigo, uma raposa muito sapeca que adorava correr por ai, ele morava nas montanhas frias e muito distante de mim... mas eu via sempre seus uivos cansados de tanto correr para lá e para cá tentando ganhar sua vida, eu ouvia seus lamentos, sonhos e desejos mas sempre de longe, afinal cães e raposas não são amigos, mas quem disse que eu sou um cão tradicional não é mesmo?.

A raposa sempre foi muito misteriosa, morava em uma toca muito distante que eu nem sabia como chegaria lá, porém sempre muito aninhada a família e a liberdade, sempre que eu sentia uma corrente de ar lembrava dela que sempre estava correndo contra o tempo para fazer mais e mais coisas. O tempo foi o que nos causou um grande afastamento e ser adotado para mais longe contribuiu ainda mais para não ver o meu amigo raposa.

Anos a fio e aconteceu o inesperado, correndo contra o tempo na calada da noite eu encontrei aquele livre ser que eu jamais esperaria ver e eu finalmente pude dar uma imagem a todos aqueles regougados dentre os meus uivos e pude me sentir feliz e com o coração quentinho de uma vez por todas... não era mais a mão do meu dono que pesava sob a minha cabeça mas um afago carinhoso do focinho de um amigo que eu nunca esperei que se tornasse real.

A cada passada eu percebia que a raposa não era só um poço de gentileza comigo, mas com todos os animais e pessoas a sua volta e que eu não era de um tanto especial, era só mais um no meio de todos, o que me fez pensar bastante sobre o quanto eu gostava de estar sozinho mas também sobre o quanto eu sentia falta de ser especial.

Assim decidi brincar com meu amigo nos campos enquanto observo sua atenção a todos, de longe fico sorrindo ao ver aquele sorriso e pensando que agora  chuva vai me molhar mas eu não vou me sentir tão sozinho.